O CAOS DA MOBILIDADE URBANA


* Guilherme Cardoso

 

Entra ano, sai ano, carnaval, semana santa, festas de final de ano, feriados escolares, recessos, e o problema da mobilidade das pessoas continua sendo um tormento. Aeroportos lotados, transportes rodoviários ruins, estradas péssimas e perigosas, acidentes e mortes rondam as viagens dos brasileiros. Cenário de quem precisa utilizar as estradas e rodovias estaduais e federais.

O mesmo acontece no transporte coletivo de passageiros nas capitais e cidades das regiões metropolitanas. Um caos que se repete diariamente para quem se utiliza dos carros particulares, ônibus e da única linha de metrô, como o da cidade de Belo Horizonte. Que diferentemente do Rio de Janeiro e São Paulo, não possui linhas auxiliares de trens suburbanos como modal de transporte de passageiros. Um desrespeito com os usuários.

Promessas têm demais, aparecem na mídia sempre, projetos nunca são executados. É um cínico jogo de empurra entre órgãos e entidades governamentais. Total incompetência. Prefeituras de um lado, governos estadual e federal de outro. Este diz que liberou verbas, aquele alega não saber onde está o dinheiro, o outro não tem projetos prontos. É o que acontece com a BR 381, Anel Rodoviário e os trens de passageiros.

Presidenta Dilma veio a Minas três vezes, ofereceu bilhões de reais para obras de mobilidade urbana, já se passaram dois anos, não apareceram projetos, apenas estudos, saiu agora uma licitação confusa da Metrominas para o metrô de BH,  não deve atrair interessados.

Mais de um ano, Governo do Estado garantiu voltar com os trens de passageiros no trecho Sete Lagoas, Contagem, e nada de prático aconteceu até agora. Prefeituras de Contagem e Betim informaram acordo com a FCA, concessionária de transporte de cargas, prometeram trem de passageiros ligando as duas cidades à Estação Eldorado do metrô. Ninguém dá notícia do fato.

Até quando as autoridades públicas, responsáveis pelo transporte de massa vão deixar de brincar com o povo, fazer vistas grossas com o sofrimento de quem para sobreviver tem que utilizar um serviço precário de deslocamentos, sabendo que verbas existem e não são aplicadas em ampliação de linhas do metrô e reativação de quilômetros de ramais ferroviários ociosos na Capital e cidades vizinhas.

Que tipo de protesto precisamos fazer?

 

Guilherme Cardoso
Blog: Cronista da Realidade

 

www.guilhermecardoso.com.br

 

1 thought on “O CAOS DA MOBILIDADE URBANA”

  1. Se um sistema que faça seus investidores enricar tão rápido,
    quanto um crafticar da roleta de um ônibus,
    ainda que sub humanizando seus clientes;
    deveria na mesma velocidade ser boicotado.
    Mas a realidade não é essa;
    sendo este serviço um monopólio feito o transporte coletivo:
    meio protegido pelo poder público;
    meia banda sob a égide dos comerciantes;
    e a metade da outra banda, com a imprensa comprável;
    aí num sobra quase nada para a ética.

    Jesse Marlon

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *